12.10.17

Imperfeições perfeitas e o caso do umbigo do Lucas

Estou em falta com o blog e enquanto o meu cérebro não volta a vida para escrever umas coisas que já tenho aqui pensadas, partilho um texto bastante caricato que escrevi há uns tempos...

Sobre imperfeições perfeitas... Sim, o Lucas tem uma hérnia no umbigo. Na maior parte das vezes está escondida e ninguém dá por ela, mas está lá. Não é a primeira: já teve outra, na virilha, mas foi operado com 2 meses (sim 2 meses e sim anestesia geral) e ficou bem. Bem melhor do que o meu coração naquele dia... Brevemente o mesmo irá acontecer com esta: será operado e irá correr tudo bem! 

No outro dia enquanto ele brincava na praia uma senhora questionou-me sobre o que ele tinha. Expliquei o que era. O comentário que se seguiu foi um: 'oh que pena, ele é tão bonito'. Acrescentei que desde que controlado não tinha perigo e que não lhe dava dores nem o impedia de fazer nada e que iria ser operado e o problema ficaria resolvido. O conselho que recebi foi para tratar do assunto o mais rápido possível porque assim ficava esquisito. 

A ideia de que a beleza é perfeição enoja-me tanto quanto aquela senhora. Ele pode continuar a ter aquela bola de ping pong no lugar do umbigo, mas isso não o faz ser menos bonito, nem vai fazer de mim o género de pessoa que vai educar um filho a esconder-se porque tem algo diferente... relax gente, é só um umbigo. E quanto ao conselho: nunca me passou pela cabeça antecipar uma operação e privar o meu filho do verão na praia só por causa de uns olhares e comentários parvos! Agradeço todos os dias por isto... porque não é grave e tem resolução! Já um coração podre... isso não tem cura. 

Com uns pés destes, quem é que olha para o umbigo?!

4.9.17

antes de ser mãe VS depois de ser mãe

No banho
Antes de ser mãe eu tomava longos banhos, podia fazer uma máscara ao cabelo e fazer uma exfoliação, tudo isto enquanto cantava os meus hits de infância.
Depois de ser mãe eu tomo banho rápidos, a maioria deles a fazer 'cucu' mil vezes pela cortina do duche e a apanhar as trinta mil novecentas e cinquenta coisas que ele atira para dentro da banheira, uso um champô 2 em 1 que é para ser mais rápido e depilo a perna esquerda num dia e a direita no outro que não há tempo para as duas. Se for os sovacos já dá que a área é mais pequena. Caso não oiça barulho grito histérica mil vezes até o puto vir ter comigo e começar a fazer as asneiras na casa de banho e dar comigo e com o meu banho em loucos.

Na praia
Antes de ser mãe eu escolhia o biquíni mais giro, punha o creme, a toalha e o livro dentro da mala e estava pronta.
Depois de ser mãe eu escolho o fato de banho que apoia melhor os meus balões mirrados, para que a desgraça não descaia numa qualquer praia e seja motivo de conversa, o balde, a pá, mais uns brinquedinhos, a toalha, o poncho para o frio quando sai da água, o calção de banho, a fralda para a água, a fralda para depois, toalhitas, o creme protetor, o creme hidratante que a criança tem pele atópica e depois da praia há que hidratar, o chapéu, a bolachinha e a fruta e sabe lá Deus mais o quê. Só de escrever fiquei cansada... Imaginem o dia todo disto! É um misto de tão bom e 'porra tragam o desfribrilador que a pessoa tá a precisar de ser reanimada'.

Na sala
Antes de ser mãe eu via filmes e novelas e algumas séries (só algumas ou poucas vá, ou na verdade foram só 3 que vi do início ao fim). Esticava as minhas pernas no sofá, e via o que queria até adormecer e babar a almofada.
Depois de ser mãe eu vejo o Panda, a Patrulha Pata, a irritante da Sara e os seus pseudo bailarinos, a Princesa Sofia e a Doutora Brinquedos (ou a Doutora Sofia e a Princesa Brinquedos como chama carinhosamente a minha mãe).

À mesa
Antes de ser mãe eu comia uma refeição tranquilamente, podia beber o meu sumo ou a minha água sem submarinos e o mais importante de tudo: comia a comida quente.
Depois de ser mãe eu como sempre em último e ainda tenho de partilhar (e o que eu odeio partilhar comida!) o que me calha de restos com aquele pequeno ser. Tenho de ir comendo enquanto lhe dou a comida a ele e conto '1,2,3' e agradeço quando ele demora mais tempo a mastigar (que é quase nunca...).

Na cama
Antes de ser mãe eu dormia. Ponto.
Depois de ser mãe eu tenho que ir adormecer alguém sem tentar desmaiar antes, tenho de brincar ao Big Brother durante a noite, sempre a checkar a câmara a ver se ele está bem e se ainda não trepou pelas grades. Depois tenho de dividir a cama numa parte da noite que dormir na cama dele a noite toda é muito mainstream e tenho de tentar dormir com um pé espetado nos rins e um dedo dentro do nariz. É muita fixe e confortável!

Mas porra... depois ele pinta a minha vida como se fosse um quadro, assim, cheio de cores quentes e bonitas. E pronto, esqueço tudo! 
Menos o pé nos rins que me dói o dia inteiro.
Massagem? Alguém?!

1.9.17

A granola de frigideira da Pat

Tou viciada nisto! Uma opção óptima para pequenos almoços, lanches e para roubar de vez em quando e servir de snack.
Experimentei fazer no forno a primeira vez e correu bem mas senti que não conseguia dominar tão bem a coisa e deixei ficar um pouco estaladiço demais. Mas depois, com medo de partir os dentes da frente, resolvi fazer na frigideira que assim há maior controle a mexer e ficou NO PONTO!

Já fiz cerca de 3 ou 4 vezes, já dei a experimentar a vários amigos e até agora tem sido sempre aprovada. Por isso... depois deste fail aqui está uma ideia saudável e super deliciosa.
Não vos chateio mais com os meus textos, vamos passar já à receita:


Granola de frigideira

Ingredientes:
Flocos de aveia
Mistura de sementes
Mistura de frutos secos
Óleo de coco
Canela
Xarope de Agave
Mel

How to:
Colocar numa frigideira um pouco de flocos de aveia, depois as sementes e no fim os frutos secos. Aqui as escolhas vão de acordo com o que mais gostarem. Eu uso uma mistura de sementes que compro no Mercadonna e que tem 5 sementes (abóbora, sésamo, papoila e as outras não sei porque estas são as que gosto mais ahaha), depois uso uma mistura de frutos secos do Lidl mas retiro um pouco as passas porque acho que eles exageram na quantidade. Depois desta mistura colocam um pouco de canela a gosto por cima, de seguida o óleo de coco, o xarope e o mel e depois é ir misturando tudo em lume brando, cerca de 15 minutos.
Podem deixar mais ou menos dependendo de quão tostadinha gostam da vossa granola e já está! É servir de imediato ou esperar que arrefeça e guardar numa caixinha.
Uma óptima ideia para fazer no fim de semana e ter sempre pronta durante a semana.


JURO: É TUDO DXI BOM!

23.8.17

O melhor e pior de termos filhos ao mesmo tempo que os nossos melhores amigos

Eu e a minha melhor amiga ficámos grávidas ao mesmo tempo! Os miúdos estavam programados nascer com 2 dias de diferença, que acabaram por ser 13. Não houve alegria maior saber que iríamos passar por esta fase juntas. Mas como em tudo o que é bom há sempre coisas más.

Durante a gravidez ouvimos os típicos: ela engordou mais, a barriga dela é mais pequena, o puto dela dá mais pontapés, and so on... Porque as pessoas gostam de fazer comparações.

Agora quando os miúdos nascem aí sim começa a verdadeira tortura.
"Ahhh ele é mais velho? Mas é mais pequeno.
O outro chora? Se calhar o leite não é bom! Aquele dorme mal à noite? Devem estar a fazer alguma coisa mal.
Oh este é mais fácil que chora menos... Oh o outro tá sempre a dormir, nunca lhe vejo os olhos."

E quando eles começam a fazer 'coisas' aí é que são elas:
"Ahhh ele fala muito, está mais desenvolvido. Ohh mas o outro é muito ágil.
Este é demasiado aventureiro e destemido, oh e aquele é um bebé da mamã..."

Gente a sério... há que saber parar! Cada bebé é um bebé e cada criança é uma criança e todos têm os seus momentos. Parem de fazer comparações entre eles, porque não há nada que se possa comparar quando estamos a falar de 2 pessoas diferentes. Há coisas melhores nuns e piores noutros. Nem tudo o que parece ser bom o é, e nem tudo o que as pessoas acham que é mau o seja necessariamente.

O melhor de tudo é o que está representado nesta foto: miúdos que crescem juntos, lado a lado, como irmãos, com os seus momentos queridos e os seus momentos brutos. Com a felicidade imensa de se verem, de dizerem o nome um do outro e de terem a certeza que são amigos desde a barriga e que essa ligação é inquebrável, assim como a ligação de verdadeiros irmãos!

*os exemplos desta história são claramente inspirados nestes dois, mas imagino que sejam iguais a tantos outros...

A beleza do pós parto: para ler aqui
Tu que és mãe, também vais acabar por morder a língua e morrer no teu próprio veneno - para ler aqui

21.8.17

From monday to friday

Como usar as mesmas peças e criar looks diferentes com elas? Espreitem estes looks da semana e vejam como nós, meras plebeias, temos de ter imaginação para repetir outfits sem ser demasiado descarado:






xoxoPat

18.8.17

Tu que és mãe, também vais acabar por morder a língua e morrer no teu próprio veneno

Lembram-se daquelas vezes em que começaram alguma frase com: "Eu nunca vou fazer..." ou "O meu filho nunca..."
Big mistake darling

Quantas de vocês disseram que não iam dar um único doce até a criança perfazer 4 anos e com 1 ano e meio estava a dar dentadinhas da vossa bola de berlim na praia? Eu disse!
Quantas acharam que iam educar bem o suficiente para que o vosso filho não fizesse uma birra de se atirar para o chão? Eu achei!
(e calma que o facto de eles fazerem isso não significa que sejam mal educados, significa que estão a crescer e que essa parte chata acontece, é mesmo assim...)
Quantas viram a maternidade de uma forma romântica em que iam aproveitar a licença para fazer mil e uma coisas e depois nem banho tomaram todos os dias? Eu!

Eu sempre disse que nunca iria dar Cerelac ao meu filho. No início fartei-me de fazer papinhas de aveia, trigo sarraceno, alfarroba... Até ao dia em que ele ficou doente, que perdeu imenso peso e que a única coisa que comeu foi Cerelac. Mordi a língua dessa vez! Mas confesso que me fez ver as coisas de uma maneira diferente e não ser tão radical. Se critico as mães que não deixam os filhos tocar em doces? Não, de todo. Mas agora consigo perceber as que são permissivas de vez em quando. Todos nós pecamos às vezes mas se não for uma coisa recorrente não faz mal!

Eu sempre disse que nunca iria sair de carro para o meu filho adormecer e... mordi a língua outra vez! A verdade é que tenho sorte nessa parte e ele é um miúdo fácil para adormecer (também tem os seus dias, como é óbvio que aqui não há crianças perfeitas, nem vale a pena tentarem vender-me essa história). Mas nesta noite ele teve tantas dores de dentes, que depois de ter tentado tudo: gel para os dentes, benuron, leite, colo, tudo... tivemos de sair de casa às 2h da manhã para tentar que ele acalmasse e a dor atenuasse. Que se lixe... mordi a minha própria língua para bem dele e a verdade é que resultou (sim Ivna, eu sei que estás a ler e agradeço-te por isto, sei que a ideia foi tua e eu é que não queria. Mas guess what? Às vezes os pais sabem mais que as mães e não há mal nenhum nisso).

O que eu quero dizer com isto é: esqueçam os vossos planos e sonhos ok? Vão acompanhando o presente e tentando ao máximo manterem-se fiéis a vocês mesmas mas não apontem o dedo... As vossas mães nunca vos ensinaram que isso era feio? Pois, e é! Por isso não apontem o dedo aquela mãe que teve um dia mau, ou que o filho está mais rabugento. Vocês também têm dias em que são insuportáveis ou não? Eu diria tão insuportáveis que até a vossa própria presença vos incomoda. Todos temos dias assim e por isso devíamos ser mais compreensivos com os outros e parar de achar que somos a enciclopédia das mães que tudo sabem!

As certezas não vêem nos livros... vêem nas vivências, no dia a dia e no vosso instinto! Aquilo que resulta melhor para o vosso filho pode não resultar tão bem para o filho da outra, por isso não insistam ok?

Deixem as mães em paz! Estamos todas no mesmo barco, por isso podíamos unir-nos mais do que andarmos a fazer competições de filhos não acham?
É que, sinceramente, já não há paciência!!!

Aquele beijinho às opiniões das chatas

A beleza do pós parto: para ler aqui

17.8.17

Bolo de aveia, canela e maçã

Falar deste bolo é falar de uma relação de amor-ódio. Explico porquê:
amor, porque ele cheira tão bem e fica tão bonito. ódio porque me faz lembrar porque gosto tanto de bolas de berlim... É que são tão mais saborosas ahaha

Inspire-me nesta receita mas como não tinha pêras, usei maçãs. Aqui fica o resultado final antes e depois do forno:


Bolo de aveia, canela e maçã

Ingredientes:
10 colheres de sopa de flocos de aveia
4 ovos
3 maçãs com casca
1 colher de sopa de canela
1 colher de sopa de mel
1 colher de sobremesa de fermento em pó
1 colher de sobremesa de óleo de côco

How to:
Pré-aquecer o forno a 180°. Triturar todos os ingredientes (podem colocar tudo numa tigela na ordem que preferirem). Eu coloquei por cima lascas de maçã. pepitas de cacau cru da Iswari e canela. Levar a massa ao forno durante cerca de 20 minutos.

É um bolo lindo, mas a única pessoa a adorá-lo lá em casa foi mesmo o Lucas. Não achei assim a última coca cola do deserto, continuei a ter fome de um docinho, mas como não gostamos todos de tudo podem experimentar vocês e gostar... Fica a dica! Pelo menos é saudável!

16.8.17

A beleza do pós parto

Pós parto...
Esse momento filha da p#&% que parece demorar uma eternidade a passar!

Vamos a isso?
Tenho recebido algumas mensagens sobre o segredo de estar mais magra agora do que antes de engravidar... não se iludam! Eu saí da maternidade grávida de 6 meses e assim fiquei durante uns bons tempos. Há aquelas mulheres que 2 ou 3 semanas depois já estão a passear as suas barrigas do pós parto lisas e a pôr fotos com aquelas hashtags #postpartumbody #lovemyself #2weekspostpartum! Errr not my case! Aliás quem me dera na altura poder juntar-me a esse gang, mas eu estava mais no gang das que têm de usar a hashtag #notpregnantanymore #justfat.

Amamentei até aos 7 meses e foi por volta dessa altura que perdi o peso que ganhei na gravidez, 14 fucking quilinhos! Não acredito que foi isso que me fez emagrecer, aliás amamentar acho que só me engordou porque eu tinha uma fome dos diabos. Cheguei a achar que desmaiava de fome enquanto ele estava a mamar e a gritar em desespero que me acudissem e me trouxessem comida. No dia em que cheguei da maternidade repeti o prato 3x e foi aí que percebi que a coisa ia correr mal. Até porque não tinha voltado com muito peso a menos, só perdi 4kg, porque entre o puto ser mínimo e a minha placenta ser um pedaço mirrado que não deu para aguentar o miúdo cá dentro até ao fim... ainda havia muito peso para perder por isso talvez o ideal fosse fechar a boca. O ideal... não o que aconteceu!

Mesmo depois de ter perdido o peso continuava com a barriga inchada (muito devido a uma hérnia umbilical que fiz durante a gravidez e que agora percebo que estava a prejudicar a recuperação do meu corpo) e também com o corpo mais flácido que alguma vez tive. Como se não bastasse isso depois de ter parado de dar de mamar, já habituada ao meu silicone dos pobres, tudo mudou e no lugar desse silicone vieram 2 ameixas secas!
(Que ainda habitam a minha pessoa infelizmente. Digam que isto ainda muda, por favor...)

Então afinal como perdi o peso? Ora aqui está o 'segredo': 1 gastroenterite do Lucas que também apanhei e onde ficaram despachados 3 kg e depois uma recuperação da cirurgia da hérnia onde perdi outros 3. Moral da história? Acabei por ficar com menos 6kg do que tinha habitualmente.
Vá, na verdade quando engravidei já estava um bocadinho acima do meu peso...
Depois a flacidez foi combatida com treinos múltiplos a partir do momento em que o Lucas começou a andar. No Secret at all!

Também não sou aquela sortuda do hashtag #zeroestrias! Depois de um azar com o gel do CTG em que vi a barriga partir diante dos meus próprios olhos tive de me habituar a viver com cerca de 5 a 6 estrias a volta do umbigo. Caso para umas neuras depressivas nos primeiros meses, que depois passaram! Até porque a coisa atenuou. Talvez devido a 2 tratamentos de laser que fiz, talvez porque a minha cabeça começou a ver a coisa de maneira diferente. Who knows?!

Outro dos problemas deste belo pós parto? O cabelo! Que durante uma altura não parou de cair e que agora não pára de nascer, deixando-me literalmente de cabelos em pé com tanto babyhair descontrolado.

A cereja no topo do bolo: as horas de sono a dever ao corpo, as olheiras disfarçadas e aquela energia top que nos faz estar a babar as 10h da noite.
Tirando isto... (coisa pouca), o pós parto é a melhor cena do mundo!

A vocês que estão a passar por isso agora: não desesperem, que acabamos por encontrar a solução ideal para nós mesmas! Seja conseguir recuperar a forma, seja aprender a viver com as novas formas que ganhámos. E não se massacrem demasiado (falo eu agora depois de meses de auto tortura).
Uma coisinha já percebi para uma próxima. Não já pelo amor de Deus, que enquanto me lembrar desta noite não tenho ideias... mas como estava a dizer, numa próxima já sei o truque: o corpo do pós parto faz-se na gravidez! Essa é que é essa. É tão fácil descontrolar enquanto estamos grávidas, ou por uma questão de desconhecimento ou simplesmente porque temos a desculpa perfeita a habitar dentro de nós!

Mas para quem está nesta fase deste querido pós parto: força! Os meus pensamentos estão convosco! Se quiserem retribuir mandem aí um bocadinho do vosso inchaço peitoral,
Agradecida

Inchadinha mas feliz

Tu que és mãe, também vais acabar por morder a língua e morrer no teu próprio veneno - para ler aqui

10.8.17

Ser mãe é...

Ser mãe é viver com o coração fora do peito, é ser outro alguém, é viver outra vida... É doer na alma como nunca havíamos sentido, é sorrir a chorar... É acalmar quando dói! Ser mãe é mudar, é dormir de olho aberto, é dar colo, é amar sem medida... Ser mãe é dar abraços que curam, é ter preocupações eternas, é agir na impotência e ter um instinto maior do que a razão... Ser mãe é tudo isto! Ser mãe é ser-se maior! ✨


O texto é antigo, mas depois daquela que foi a pior noite de sempre do Lucas, que está a sofrer horrores com os 9 dentes que tem a nascer, acho que se enquadra e faz todo o sentido partilhar!

6.8.17

Lucas being Lucas

Sabemos que todos os miúdos têm uma fase de asneiras, mas quem conhece o Lucas sabe que ele tem a criatividade 'on point'.
Segue uma seleção dos melhores momento do último mês:

Lucas, the lord, a ver televisão dentro da banheira:

Lucas e o caso da garrafa de água entornada por cima do sofá

 Lucas e a sua má utilização do papel higiénico

 Lucas, o malabarista

Lucas, o destruidor das pilhas de roupa organizadas

Lucas a brincar às escondidas com os pais

E pronto: todos os dias nesta casa há novidades com este miúdo! Não se sintam sozinhas ok? Há concorrência à altura dos vossos.

4.8.17

A minha Poke Bowl

Para quem adora arroz e peixe cru esta receita é a ideal! Super fácil e rápida de fazer, é uma ótima sugestão para estes dias de verão e garante-vos um empratamento assim bonitinho, mesmo não percebendo nada do assunto (como eu).
A ideia aqui é usarem a vossa imaginação e o que tiverem lá por casa para criar a vossa taça. Vale tudo: salmão, atum, camarão, abacate, sementes, tomate, manga, pêssego, maçã e todas as frutas que preferirem...



Poke Bowl de salmão e manga

Ingredientes:
Receita para 2px
1 lombo de salmão
Arroz thai (1 copo)
Metade de uma manga madura
8 tomates cherry
Cebolinho, sementes, limão e soja a gosto

How to:
Colocam o arroz a cozer. Enquanto isso cortam o lombo de salmão em cubos e fazem uma marinada com muito limão, cebolinho e um pouco de soja. Deixam de parte.
Partem a manga e o tomate cherry.
Quando o arroz estiver pronto colocam no fundo da taça, por cima colocam o salmão e depois vão colocado ao lado os restantes ingredientes, neste caso a manga e o tomate. Por cima colocam as sementes (eu torrei-as um pouco numa frigideira), o cebolinho cortado e regam com soja a gosto.

É de babar! Prometo.

2.8.17

Movimento # as mães também querem comer

Se há coisas que os filhos nos ensinam é o poder de partilhar... assim que eles começam a comer o mesmo que nós começam as partilhas: sim, as de comida!
Eu já devia apelidar o meu filho de 'puto das becas' porque não posso comer nada sem ouvir um 'UHMMMM UHMMM DÁÁÁÁÁÁ'.
F*dasse puto mas não posso comer em paz?!

As mães, esse ser de sacrifício que já não pode fazer xixi em paz, fazer cocó em paz, tomar banho em paz, dormir em paz, também não pode, óbvio, comer em paz!

Mas porque raio será sempre a nossa comida mais apetitosa que a deles ou que a de qualquer outra pessoa ao nosso redor. É um fenómeno senhores, porque o pai da criança pode estar a comer o mesmo, mas ela vai sempre preferir pedir à mãe. E eu confesso: às vezes dou mesmo contrariada! É que normalmente eles só pedem quando nos está mesmo a saber bem... Acham que eles vos vão pedir algo quando fazem aquele lanchinho ou jantar sem graça? Claro que não.

É neste desespero que vos escrevo, porque eu quero comer UMA tosta e não meia ou 1/4 de tosta. Quero poder beber o meu sumo inteiro sem submarinos, quero comer a minha banana sem trincas pelo meio ou os meus cereais sem ter uma linguinha espetada à espera que lhe sirva mais uma colherada.

SIM, as mães também querem comer!
É que isto pensando bem está a tornar-se uma dieta muito restritiva: o meu puto tem uma energia louca, eu já passo o tempo todo a correr atrás dele e depois de todo esse exercício nem consigo repor os meus níveis porque ele come metade do que eu tinha planeado comer. Pronto: está revelado o meu segredo pós parto: correr, correr muito e ter vários ataques de coração (que isso também queima calorias para xuxu) e... não comer! Só que custa tanto... a sério kid, deixa a minha comida em paz!


via GIPHY

1.8.17

It's about time...

Depois da saída de fininho das queridas TC e MS e da minha paragem estratégica de mais de meio ano (só para sentirem saudades minhas e receber aquelas mensagens ao estilo: va lá... volta! que uma pessoa gosta sempre destas coisas) estava na hora de MUDAR!

E como sou pessoa de muitas valências o nome 'food, fashion & makeup' já não era suficiente para todo o universo de alarvidades que para aqui escrevo, e por isso decidi alterar o nome do blog.

"And other stuff" - esta é a minha nova casa! O nome não diz nada e diz tudo que é a base deste lugar: um sítio onde falo do que me apetece, sem pretensões de com isso fazer disto um lugar comum da blogosfera. Um blog principalmente para amigos mas também para quem quiser vir cá parar que eu sou pessoa de vos aceitar a todos.

Não se preocupem: quem tem o link antigo continuará a vir aqui parar que eu sou daqueles génios que percebe muito de informática e tecnologia e já pus o link a reencaminhar para o novo
(Basicamente fui ao google e fui parar a um tutorial no youtube que me explicou tudo)

Vamos a isso?


Pelo meio escrevo umas coisas, como muito, durmo menos do que gostaria, tenho amigos e família fixes, educo um filho e... pensando bem...
basicamente só me falta a árvore!